a reunião

texto de agosto de 2005

há alguns dias, semanas, pensei uma excelente história-base para um roteiro ou romance de suspense. nenhum suspense magnífico, à stephen king, mas uma história relativamente bem elaborada com clima investigativo. chamaria-se “A Reunião” e o ponto inicial da trama acronológica é uma reunião de turma. um dos colegas não é localizado para o reencontro. alguns poucos não vão. durante a reunião, aquele ausente é lembrado, mas o fato de que nem sequer foi possível entrar em contato com ele passa quase desapercebido. um dos presentes, talvez apenas por curiosidade a princípio, decide descobrir o que houve e começa a investigar. o sujeito parece realmente inacessível, desaparecido. a investigação que segue é intercalada por momentos da festa, em que ele conversava com alguns presentes sobre o colega em questão e essas conversas sincronizam-se com os fatos sobre ele que são descobertos ao longo da trama. o final é incerto. uma das possibilidades é que aos poucos ele apagou seus rastros e desapareceu propositalmente para suicidar-se.

de qualquer forma, cheguei à conclusão de que jamais escreveria e concluiria o roteiro-barra-livro e decidi escrever a respeito da idéia (vêm à minha mente agora o filme Adaptação, de Charlie Kaufman). a verdade é que normalmente exponho minhas idéias a alguém e, depois de um tempo, as abandono. dessa vez fiquei quieto, pensando “a qualquer momento, ou algum dia, realmente a tirarei da gaveta e começarei a escrever”. bem, tal não foi e provavelmente nem será feito. assim, morre aqui nosso personagem (o investigador, porque o outro estaria morto de qualquer jeito, provavelmente) e o livro. ou o roteiro. também o excelente filme que seguiria.

acho bom que muitas grandes idéias se desfaçam assim, num texto curto. rápido, prático. me poupa o trabalho de escrever por trabalho e me garante ocupar os dedos por alguns minutos em frente ao computador, como é meu costume e porque gosto de escrever. me ajuda a evitar técnicas de produção textual que estão tentando me ensinar na faculdade e que, acreditem, aprendi sozinho há alguns anos. acho que só escreverei uma história completa e grande quando realmente estiver de saco cheio e sem idéias e decidir escrever sobre mim. talvez com algumas grandes nuances, tentando juntar as cenas que constantemente seguem em minha cabeça com o momento em que (não) aconteceram. como estar andando na rua, ser quase atropelado por um motorista bêbado e, no impulso da raiva, arrancá-lo pela porta do carro, que bateu em seguida, arremessá-lo a um poste e dar-lhe alguns socos. depois voltar para dentro do bar e tomar outra cerveja, ignorando o acontecido.

Publicado em contos & mini-roteiros | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

da série ‘coisas que ficaram entaladas na garganta’

Gangnam Style é chatérrimo e tenho algum, senão muito, desprezo por todo mundo que entrou no hype.

Publicado em jogo rápido, palavras sábias | Deixe um comentário

Bíblia 4:20 (1): velho testamento

Gente, estou fazendo um trabalho importantíssimo de compilação dos trechos da Bíblia Sagrada encontrados no Capítulo 4 Versículo 20 de cada livro e por enquanto aprendi algumas coisas tipo:

Alguns dos livros não chegam ao 20 do 4º capítulo, e tem cinco que só escreveram 3 capítulos e outro só dois! De onde conclui-se que as pessoas começaram a ficar bem preguiçosas na 2ª metade do Velho Testamento.

Ada deu à luz a Jabal, que foi o pai dos que habitam em tendas e possuem gado.
Gênesis 4:20

Tomou, pois, Moisés a sua mulher e a seus filhos; fê-los montar num jumento, e voltou para a terra do Egito. Moisés levava na sua mão a vara de Deus.
Êxodo 4:20

Assim fará com o novilho; como fez com o novilho da oferta do pecado, assim fará com este. O sacerdote fará expiação por eles, e eles serão perdoados.
Levítico 4:20

porém eles não entrarão para ver as coisas sagradas nem por um momento, para que não morram.
Números 4:20

Porém Jeová vos tomou, e vos tirou da fornalha de ferro do Egito, para ter um povo que fosse a sua herança, como hoje se vê.
Deuteronômio 4:20

As doze pedras, que tiraram do Jordão, colocou-as Josué em Gilgal. Josué
Josué 4:20

Ele lhe disse mais: Põe-te à porta da tenda, e quando alguém vier e te perguntar: Está aqui alguém? responderás: Não.
Juízes 4:20

Aminadabe gerou a Naassom, e Naassom gerou a Salmom;
Rute 4:20

"let my people grow" trocadilho com moisés libertando seu povo

Quando ela estava para expirar, disseram-lhe as mulheres que estavam ao lado dela: Não tenhas medo, pois deste à luz um filho. Ela, porém, não respondeu nem fez caso disso,
1 Samuel 4:20

Judá e Israel eram tão numerosos como a areia que está à beira do mar; comiam e bebiam e se alegravam.
1 Reis 4:20

Tendo tomado ao menino, levou-o a sua mãe, em cujos joelhos ficou sentado até o meio dia, e então morreu.
2 Reis 4:20

Os filhos de Simão: Amnom, Rina, Ben-Hanã e Tilom. Os filhos de Isi: Zoete e Bene-Zoete.
1 Crônicas 4:20

e de ouro puro os candeeiros com as suas lâmpadas, para arderem segundo a ordenação perante o oráculo;
2 Crônicas 4:20

Tem havido também sobre Jerusalém reis poderosos que dominavam todo o país além do Rio; a eles se lhes pagaram tributos e impostos e direitos de trânsito.
Esdras 4:20

em qualquer lugar em que ouvirdes o som da trombeta, correi ali a nós. O nosso Deus pelejará por nós.
Neemias 4:20

Proclama-se destruição sobre destruição porque despojada está a terra toda: de repente são destruídas as minhas tendas, e num momento as minhas cortinas. Jeremias
Foi apanhado nas covas deles o ungido de Jeová, aquele que é o ar das nossas narinas; E do que dissemos: Debaixo da sua sombra viveremos entre as nações.
Lamentações 4:20

A árvore que viste, a qual crescia e se tornava forte, cuja altura chegava até o céu, e que era vista por toda a terra;
Daniel 4:20

Publicado em jogo rápido | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

desenhos animados

Esse conto é parte de meu primeiro livro, “A Vida em Anexo”. Para adquirir um exemplar, Me procure pelo facebook (João Paulo Coiote Flores) e mande uma mensagem combinando um encontro em Porto Alegre se quiser receber o livro diretamente de mim. A outra opção, pra Porto Alegre ou qualquer outra cidade do Brasil, é fazer um depósito e depois me mandar um email (ou avisar por facebook) confirmando o depósito/transferência (além de bancos e internet, pode ser feito em qualquer lotérica) e o endereço para o qual o livro deve ser enviado. Os custos com correio são por minha conta.

Caixa Econômica Federal
Agência: 429
Conta Poupança: 12875-3
Valor: 25 reais
Nome: João Paulo de Abreu Flores
CPF: 676.595.600-00

“desenhos animados”

Ela chegou em casa cansada, ainda irritada por causa da chuva, e jogou a mochila e o chaveiro em cima do sofá da sala. Foi para o banheiro pensando em tomar banho, mas optou por uma mão-cheia-d`água contra seu rosto e foi até a cozinha servir a si uma dose de uísque. Pensava em ligar para o namorado, mas aquele ‘monte de tralha assentimental’ deveria estar na rua ainda, com a ponta do moletom encharcada de solvente presa entre os dedos protegendo-lhe do frio — e da fome. Despedira-se dele menos de uma hora antes de chegar ao apartamento, e agora ainda não sentia sua falta. Realmente, o uísque seria melhor companhia. Tomou três comprimidos de Diazepan e sentou-se em frente à televisão para se ocupar assistindo qualquer desenho animado que fosse exibido até que dormisse.

Ele caminhava com uma garrafa de vinho tentando lembrar onde deixara a namorada. Não conseguia lembrar se ela fôra embora ou ainda estaria esperando por ele no parque. Não conseguia lembrar sequer quantos e quais eram os amigos ao seu lado, e sequer percebera quando passou o vinho para a mão de alguém. Só sabia que precisava banhar o moletom em qualquer solvente que lhe fizesse esquecer ainda mais o momento, pois a mente em branco significava-lhe paz. Tirou um cigarro do bolso, lembrou da namorada indo em direção à parada de ônibus, e pegou novamente a garrafa de vinho. Não conseguindo dormir, serviu outra dose de uísque e acendeu um cigarro, agora desejando que seu namorado chegasse logo. Talvez elenem sequer fosse para a casa dela, afinal, não
costumavam passar a noite de domingo juntos. Não depois de beberem tanto, pelo menos. Ofereceu um gole de vinho para o amigo ao seu lado e disse-lhe que tinha que ir embora. “Não, não vou deixar a garrafa.”. Distribuiu cigarros para os três pedintes e foi até a parada de ônibus. Sentia falta da namorada.

Kikujiro Fukushima - Young couple sniffing glue, c. 1970.

Kikujiro Fukushima – Young couple sniffing glue, c. 1970.

Ouviu a campainha e ficou imaginando se era sua vizinha reclamando do barulho da ‘tevê’ ou o namorado. Olhou para o aparelho, e estava desligado. Provavelmente era o namorado. Abriu a porta e lá estava ele: aparência cansada, calças molhadas e uma garrafa de vinho metade-cheia-metade-vazia na mão. Sorriu e pôs seus lábios
contra os dele.

Sentaram-se em frente à tevê com as pontas do moletom dele encharcadas presas entre suas mãos, dois copos de uísque e uma garrafa de vinho sobre a pequena mesa à frente e assistiram desenhos animados até dormirem.

Publicado em contos & mini-roteiros, literatura & lingüística | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

breves biografias

um cara tão viciado em sonoplastia que quando queria som de fogos de artifício um atrás do outro saía correndo sobre o paralelepípedo com um carrinho de mão. quando queria o som do carrinho de mão correndo, soltava fogos de artifício.

Publicado em jogo rápido | Marcado com , | Deixe um comentário

relato de sonho

Sonhei que durante um programa da Angélica, irritado com aquela competição obviamente ensaiada e com a negação de fatos pertinentes, o Dwayne “The Rock” Johnson invadia o show ao vivo e começava a falar umas verdades. Algo tipo “Bem aqui do lado no outro estúdio estão transmitindo notícias importantes, e vocês nisso?!?”.

Um dos convidados defendia o seu direito de não saber o que estava acontecendo logo ao lado. A maioria só pasmava, e eu não sabia se era apenas pela atitude ou porque não entendiam o que ele estava falando, já que ele discursava em inglês.

Publicado em a vida em anexo | Marcado com , , , , | 1 Comentário

citação onírica

“O povo quando é atropelado se vinga é da paulada.”

Uma senhora aleatória, em algum lugar perto de um Dirty Old Man* onírico, agora há pouco, em meu sonho.


* bar de coquetéis em Porto Alegre-RS.

Publicado em a vida em anexo | Marcado com , , , | Deixe um comentário