Flores

Desde piá, nem muito lembro, mas os festejos são os mesmos que se renovam. Não as velhas brincadeiras, mesmo que sejam repetidas por algum acaso nostálgico, mas a mera alegria em estarmos juntos. Essa se fez em presente em encontros, aniversários, datas festivas e até velórios. Basta que reunam-se dois e estamos juntos, e nos reunimos em tantos que é impossível conter algum tipo de exaltação. De fato, são muitas.

Antes de hoje já me ocorria escrever sobre tal; é uma espécie de fenômeno o que ocorre. Cada evento dessa família parece ter um poder de elevação espiritual, qual talvez apenas ritos tribais cuja cultura e efeito coletivo históricos possam ser termo de comparação. Volto para o atual aposento de repouso não com o cansaço da conversa e da música, nem com a tristeza que tantos associam à solidão, mas com a satisfação pelas horas em companhia destes que chamo família.

Não somos apenas ligações sangüíneas, biológicas, enfim, a definição técnica a que se escolha chamar como os chamo; essas vem e vão, bem como as ligações ocasionadas por encontros diversos. A família é a família presente, incluindo os que ficam apenas pela memória e pela herança que deixaram em nossas personalidades individuais e na identidade conjunta, essa mesma que presenciamos a cada encontro.

Gostaria de despender páginas irritantemente contínuas sobre isso, mas parece desnecessário: o amor que tenho pelos Flores é o mesmo que é partilhado por todos, o mesmo que impulsiona essa exaltação, motivo do bem-estar inerente ao fim de uma festa da família, que mal pode ser considerado um fim. Afinal, cada um desses encontros parece trazer em si a certeza e importância do próximo.

O avô cujo carinhoso apelido é relembrado à inicial de cada um destes parágrafos é apenas um dentro tantos nomes, rostos, personalidades que compõem essa que é nossa identidade. Seria tão penoso mencionar todos que acaba sendo justificada a cantoria e festividades: é a melhor forma de contar e dar continuidade à história dessa família.

Anúncios
Esse post foi publicado em a vida em anexo. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Flores

  1. Raphaela Flores disse:

    Paulinhoooooooooo!!!
    o que tu tá pretendendo com isso? Se tu queria emocionar, conseguiu. Quase chorei lendo, fiquei toda arrepiada! Essas palavras têm muito significado pra quem faz parte dessa familia! Mostrei pra Ju, aqui no Flor de Maçã. Ela também se emocionou demais! Tu enviou por email pra galera? Os tios vão amar!!!
    beijos primo lindo! temos q nos ver! saudade de ti!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s