contos curtíssimos

via twitter.

Colocou na água e aguardou. Repetiu o processo mais seis vezes. Ironicamente, seria eleita mãe do ano – criou o oitavo.

Ao abordarem o bote, pensaram que seria uma corredeira inesquecível. Coincidentemente, todos sofreriam de Alzheimer.

Senhora de si, só fazia o que queria. No encontro às cegas, fingiu gostar. Após o sexo, ainda fingia, mas chorava.

“Referência? Tá aqui tua referência, féla-das-puta!”, gritou ao futuro empregador, apontando para ele o lança-chamas.

Uma criança arrastou-se para fora do carro acidentado. Me aproximei, cigarro já aceso, só para apreciar seus últimos suspiros.

Suor escorria do rosto pressionado pelo cano da arma que eu segurava. Não soube por que atirei, mas o crack venceu.

Permitiu que ele invadisse seu quarto e seu corpo àquela noite, mas sentia culpa, como se roubasse seu pai de sua mãe.

Sabia que o pára-quedas iria falhar porque o preparou para tal. Ao menos os filhos não o odiariam como a um suicida.

Deixou todo o peso da perna cair sobre o acelerador enquanto a esposa pedia, em vão, para que parasse e salvasse ambos.

O cadáver sob a escadaria sorria para a criança que descia cada degrau temerosa e pronta para seu último suspiro.

Enquanto mergulhava, vinham-lhe à mente lembranças da vista do atlântico. Agarrada a peças de metal, Amelia Earhart esmoreceu para definhar.

Hoje vi o sol a sorrir pra mim! E é por isso que digo, com clamor: nunca misture antidepressivos com álcool.

Senhor de si e de seu mundo, tinha paz; sem inimigos, sem perigos, sem dúvidas. Temia apenas que a evolução científica o tirasse do coma.

A frase “Estou cercado de idiotas!” lhe pareceu inteligente até ser proferida; nunca mais foi aceito como voluntário em manicômio algum.

E qual não foi a surpresa dela quando descobriu que o altar que ele prometera erguer em sua homenagem chamar-se-ia priapismo!

http://pt.wikipedia.org/wiki/Priapismo

Acordou com o sol em sua cara e indignou-se por ter dormido durante o vôo ao invés de seguir os conselhos de seu pai, Dédalo.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Ícaro

Finalmente encontrou um apartamento de seu agrado. Instalou-se, fez dele um lar e hoje ainda responde processo por invasão de domicílio.

Ela era jazz, eu era rock’n roll. Ela era samba, eu era tango. Ela é tocatta e eu sou… um pombo?! Preciso de um antipsicótico mais forte.

Onde se beijaram à primeira vez, passava um trilho e nele viam-se manchas de sangue de alguém que um dia foi beijado mas preferiu pular.

Éramos opostos, eu e ela. Queria ser mais como ela; eu a idolatrava. Chegamos ao altar; ela, a mesma de sempre, e eu, silicone e minissaia.

Anúncios
Esse post foi publicado em contos & mini-roteiros, jogo rápido. Bookmark o link permanente.

2 respostas para contos curtíssimos

  1. Antonio disse:

    Excelentes contos. É como se tu pulasse toda bobagem e fosse direto pro climax, o que me parece justo, porque muitas vezes após ler um livro ou um filme é apenas de uma ou duas cenas marcantes que tu acaba se lembrando e guardando na memória. Obrigado por poupar meu tempo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s