cinema e quadrinhos

Esses dias um rapaz me pediu alguns filmes. Notei que havia algo de óbvio na lista de filmes que ele trazia consigo, como se retirada de uma lista de referências passada a ele por um professor específico de um determinado curso de graduação em cinema. Não, não era esse o exato caso; ele não aparentava ter mais do que quinze anos e um certo entusiasmo pelo cinema. Essa obviedade ficou clara pela pretensão dele em deixar claro que já possuía certos filmes que eu indicava e que sabia que não teria, naquela loja os que ele procurava. Ouvia frases do tipo “eu sei que é impossível achar, mas não custa tentar e tive o prazer de responder: “Na verdade, é bem fácil. Se eu não tiver aqui, consigo eles em pouco tempo.”. Esqueci de mencionar clássicos como Canibal Holocausto, mas isso não parecia novidade pra ele, uma vez que entendia tudo sobre Zabriskie Point (aos fãs, sinto muito, mas como comédia inglesa, mal passa por enlatado americano. Não que seja ruim.). O fato é que esqueci de recomendar a ele o clássico Comando Para Matar. Certamente ele largaria os DVDs que achou e sairia da loja correndo, e tenho certeza que muitos cineastas – ou pseudocineastas – que conheço diriam que esse filme é um lixo.

Resumo aqui meus argumentos a favor da importância do filme, já que ainda não tive tempo – nem saco, vide a falta de necessidade, de explicar a qualidade do mesmo:

1. muitos fãs de quadrinhos e cultura nerd/geek em geral ainda admiram COMMANDO e consideram a recentemente surgida idéia de um remake dele uma ofensa.

2. fãs de quadrinhos e etc etc

3. quadrinhos.

4. Quantos grandes cineastas mencionam os quadrinhos como sua maior influência?

Tudo que se refere a cinema é sugado dos quadrinhos. Falo aqui de ângulos, da idéia de montagem e seqüência, da condução de histórias através dessa formas de visualização. Nem mesmo Carriérie mencionou isso no livro “Num Piscar de Olhos” (que adoro, por sinal), talvez muito provavelmente pelo fato de que este livro é um livro-aula dedicado a estudantes de cinema. E todo mundo sabe que estudantes nada mais são do que um público de idéias limitadas seguindo uma instituição acadêmica que nada tem a lhes oferecer senão referências.

Tudo isso foi um breve parênteses.

Basicamente, o sonho do rapaz mencionado acima é se tornar crítico de cinema. Ele parece seguir os passos acadêmicos exatos para o que procura. Afinal, quando você assiste Buñuel e Billy Wilder para eventualmente ter embasamento para falar sobre uma vertente artística específica e em constante mutação da qual os dois são apenas uma parte, é porque sua meta é a frustração de ser inapto à arte. Nunca vi tamanha ambição por fracasso.

Segue a dica para qualquer suposto entusiasta de cinema que não admira o cinema de ação, de terror gore ou qualquer área dentro ou fora dessa bela forma de expressão artística: morra agora ou reze para não me encontrar no seu caminho.

Um bom clichê vale mais do que mil referências.

Anúncios
Esse post foi publicado em a vida em anexo, cinema & teatro, literatura & lingüística, mundo real, palavras sábias. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para cinema e quadrinhos

  1. Antonio disse:

    Só existe uma coisa superior ao filme Comando para Matar. O filme Comando para Matar DUBLADO!!!!!!

    http://www.memento.com.br/index.php/2010/04/dublagem/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s