conhecimento para todos(as)

Admito que de vez em quando também coloco X no lugar de “O” ou “A” de certas palavras, mas só porque dá preguiça de escrever de outra forma e é importante para o recado. Mas é bem de vez em quando mesmo.

E mesmo assim, um pedaço de mim é torturado e morto quando acontece.

Estudos mostram que é possível viver em igualdade de gênero sem esfaquear a língua portuguesa. Basta saber quando e por que certos padrões (como o que coloca alguns plurais no masculino) tiveram que ser criados para o melhor funcionamento da língua, ou seja, pra facilitar a comunicação.

Uma opção bem melhor, e faço às vezes, é trocar o “o” ou “a” por um simples e neutro “e”. Mesmo assim, tem que ver bem…

M.M.: —Quer dizer que uma sociedade que utiliza uma língua que não faz distinção de gênero pra substantivos, adjetivos, plurais e nem mesmo artigos, é uma sociedade mais igualitária? Pô, então o pessoal lá dos estados unidos deve ser bem menos machista do que aqui, né.

W.N.: —A forma do plural em alemão é idêntica à do feminino… Línguas que separam substantivos em sexos não devem, em algum momento, “escolher” o “sexo do plural”? Concordo que seria bom que fosse sempre neutro, mas não é…
Só acho que não podemos culpar machismos pela língua, mas sim pela sociedade e pela cultura…
Por isso que eu falei: “Concordo que seria bom que fosse sempre neutro, mas não é…”. Gramaticalmente os plurais são assim porque são assim e pronto.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatura & lingüística, mundo real e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s