ode a um cigarro

Achei uma bituca de marlboro Light, que momento!

Que momento!

Haverão celebrações;

luzes se acenderão

e o fogo queimará.

Sacrificaria um bode e queimaria uma vela;

um bode para o banquete!

Me abstenho, e não haverá sangue derramado, pois es-t-s-ou só.

Quanto à vela… Não, obrigado.

Não fumo maconha. NADA

contra, até tenho amigos que

nadam a favor

Afaga-me, cinzazulado!

Por dentro me acaricias

Que belo cigarro,

que momento! Que momento!

Hoje, quando os fantasmas cantavam,

sorri, porque sabia que eram eles

arautos da ventania.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatura & lingüística, versos. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s