resenha: hino-riograndense

Como aurora precursora
Do farol da divindade
Foi o 20 de Setembro
O precursor da liberdade

Mostremos valor constância
Nesta ímpia e injusta guerra

Ta, toda guerra é injusta, mandou bem nessa. E acho que é devido que, em meio a ela, se deva mostrar valor.

Mas constância? Constância lembra estabilidade.

QUERO VER NEGUIM FICAR SOSSEGADO
EM MEIO À TRETA
LEVANDO CHUMBAÇO
INVES DE ESPOLETA

Sirvam nossas façanhas
De modelo a toda Terra

Ok, o Estado mal ganha hino, e o cara já quer servir de exemplo? Se soubesse o que vinha por aí, Chico Pinto ia pedir outra coisa, ein. Um crepe triplo calabresa e mussarela, talvez. Combina com o Nescau que quebra na praia…

Mas não basta pra ser livre
Ser forte, aguerrido e bravo
Povo que não tem virtude
Acaba por ser escravo

Especifique “virtude”.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatura & lingüística, música e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para resenha: hino-riograndense

  1. Luciana disse:

    “Povo que não tem virtude
    Acaba por ser escravo” né lindo isso? Vindo de ESCRAVISTAS? Que digno cantar isso em voz alta a cada passeata da secretaria de educação! Pelo menos é coerente com a nossa história, isso lá é…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s