jaqueta de chorume

Posso até ser junky
mas e tu que tem o nariz sujo
só que de sangue?

Te falta um baseado na boca
e uma seringa no braço;

te sobra uma boca cheia
de mentira e estardalhaço.

Meus erros ficam estampados
nesse outdoor que se chama voz

E os teus, que se disfarçam de julgos
e vulgos
e cujos?

São raras as bocas que não encostaram em meu ouvido

sussurrando segredos e suplicando pedidos.

Ironia ou não, são muitas as que calam quando o assunto é elas.

Posso até ser podre, mas não jogo purpurina em chorume

e visto o mesmo como se fosse tendência.

Anúncios
Esse post foi publicado em versos e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s