poe’s tavern

Em 1998 minha primeira sogra me deu, de presente, meu primeiro livro de contos do Allan Poe, de quem só conhecia os poemas que encontrava na internet e imprimia pra ler durante as aulas. Provavelmente umadas leituras mais importantes de minha criação, Allan Poe me ensinou mais do que o terror: justificou meus próprios métodos (How to Write a Blackwood Article é um de meus textos preferidos do mestre) e me deu algum amparo na identificação com poemas ditos sombrios, os deles sendo meus preferidos durante a adolescência, quando passava as aulas trocando sugestões de poemas e traduções de Poe com Diego F., a quem prometi — e cumpri —, naquele longínquo 1996 ou 1997, dedicar meu primeiro livro.

E se acharem que essa montagem tá mal feita, esperem até eu terminar de editar o outro arquivo, com o interior do bar e colagem de outras referências a Poe em Os Simpsons. Aí vai doer. E se alguém quiser reclamar, sinta-se à vontade pra vir aqui em casa discutir o assunto degustando um delicioso vinho andaluz.imagem da taverna do Moe de Os Simpsons; escrito Poe's invés de Moe's

Anúncios
Esse post foi publicado em cinema & teatro, literatura & lingüística e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s