tu me pediu um poema

E se os versos

  não te derem o que

    quero te dar nesses versos?

E se este ou aquele ou aquele outro
  não surtir o efeito
    que te fez querer meus textos?

Ah! Se me coubesse, eu pudesse,
  apenas dizer Sim
    e meus dedos fluirem
      desenhando à tinta
        a poesia que te quero…

E se as mãos falharem?

Que façam!

  Arranco. Uso braços. Pinto a
cuspe, soco, grito;

        me jogo ao temporal
          e faço do vento mãos
            e da chuva pena

        Pra bater à pedra
          todos os te amo
            que não cabem
              em poema.

Anúncios
Esse post foi publicado em versos e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s