de Puchkin nada tenho, ainda

Não me dedicarão versos
como dedicaram a Púchkin
Não ousarão me amar,
como foi amado Púchkin

Não me consultarão
como consultariam Púchkin
Conselheiro? Eu, não,
nem pro que for leviano.

Mas eu vou te procurar, Púchkin.
Vou ouvir o que me disserem
tuas palavras, as que vierem.

Te amar? Te escrever outros mais?
Não sei, meu velho. Mas por ti
retornarei à Pátria Mãe
em meu sangue.

Anúncios
Esse post foi publicado em versos e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s