o poder de ler os russos

Ao menor contato
com versos do ventre
da Pátria Mãe

Tudo que a ela
é menor desvanece:
a dor, periodontal
ou ao rancor, colateral

d’alma ou do corpo
sofreres não mais são
senão vagos pontos
no fundo da memória

Ocupada em guardar
o mais alto parlo, as
portentosas palavras
que cantam o sol,
a noite, os prédios e
as ruas do lar
que não tive.

Blok, Tsvetaevo
Puchkin, Maiakovski;

que são emoções
rasas por quem não
vos é, mas distractos
extratos da vida
que me restou
quando a terra-sangue
que nos une
aqui me abandonou?

Anúncios
Esse post foi publicado em literatura & lingüística, versos e marcado , , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s