t.

Eu te amo, amigo meu.
Eu te amo, eu te amo
e queria dizer mais vezes
— Não que não o dissesse antes
mas amo que nunca
tivemos medo de dizer
que amamos.

Lembra da gente varando a
madrugada a pé sem dinheiro
na certeza de que juntos
podíamos o que quiséssemos?

Eu estava seguro contigo
Duas instabilidades seguindo
passos firmes na busca comum:
o prazer. O prazer apesar.

E na tua casa
verbalizamos, e pelo verbo,
matamos
a saudade dos meses
sem encontros.

Estávamos livres
pra nos darmos ao que
nos prendia: o prazer.

E quando me apaixonava,
tu me ouvia, não questionava
nem aplaudia, mas entendia
Que a forma que o amor toma
me é indiferente, porque sabes
que amo, e apenas amo.

E nos estregávamos, sem
medo, a quem amamos.

E tu amou quem amei:
a amizade.
E tu amou o que amei.
o prazer.

Apesar de tudo, o prazer.
Apesar dos medos, o prazer.
A pesar em cada decisão,
a cada passo em cada direção,
o prazer.

Anúncios
Esse post foi publicado em versos e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s