10 de maio de 2016

pra não morrer de tédio, pra não morrer de forca, pra não morrer por veneno, pra não morrer de velho

morreu de esquecimento,

o poeta.

pra não ser visto sério, pra não preocupar, pra não causar dano, pra não ter que confessar,

morreu de abandono,

o autor.

Anúncios
Esse post foi publicado em literatura & lingüística, versos e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s