sobre questionar o aparente cara legal

Uma vez disse prum bróder, estávamos de galera, falando sobre alguém ali no meio mesmo, “Não bota a mão no fogo porque o cara é ‘boa gente’. Não bota a mão no fogo por mim, nem por esse amigo. É por causa dessa mania de presumirmos que fulano é sempre do bem, que ninguém denuncia fulano.”

Uma discussão começou ali, pessoas se dividiram pras conversas fluirem, sem que se levantasse voz ou silenciasse alguém, e garanto que foi muito mais produtiva do que simplesmente achar que os caras que admiramos ideologicamente são sempre do bem e nunca machucariam alguém.

Lembrei disso ao ler esse texto da Clara, minha amiga:

“- esse cara que tu ficou, ele não é meio coxa?
suspirei alto:
– melhor do que ficar com cara de esquerda que é trouxa.

toma.

não é pq teu garoto é esquerda, gratilove, namastê, bicicleta de soja, festa no viaduto, cachaça com mel cena alternativa beatnik estuda no vale leu os marxista acredita em amor livre que ele é legal, tá?

minha administração é mais interessada em atitude que em discurso. já fui casada com aquele cara daquela banda gratilove que vocês adoram e acabei como? com um dedo quebrado e uma porção de chifres.

esquerdomacho tô fora. esquerdomacho pior macho. esquerdomacho nunca mais.”

Anúncios
Esse post foi publicado em a vida em anexo, mundo real e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para sobre questionar o aparente cara legal

  1. Jezuis Estalem disse:

    Chifres são um invenção da burguesia para vender chapéus pro proletariado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s