Arquivo da tag: poesia

apoie esse projeto: livro novo, via catarse

Foi em meados de mil novecentos e o Garagem Hermética tinha pátio e brigava com entraves legais enquanto minha turma de ‘piás’ se jogava com curiosidade e vontade no underground que meu amigo Shariel B.H. rabiscou em minha camiseta de … Continuar lendo

Publicado em literatura & lingüística | Marcado com , , , , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

esqueça tudo: projeto de livro

ESQUEÇA TUDO!, livro de autoria minha, a ser financiado via catarse: APOIE ESSE PROJETO: Esqueça Tudo, por Coiote Flores. O livro se diverte em três partes, sendo uma de crônicas, uma de contos e outra de poesia. Pra melhor dividir, … Continuar lendo

Publicado em literatura & lingüística | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

sarau e show dia 15 de junho

Apresentações de Nelo Johann, instrumentista, cantor e compositor de influência folk, nascido em Estrela e residente em Porto Alegre, lançou em torno de 30 álbuns online entre 2002 e 2017, e Fe Feldens, instrumentista, cantora e compositora de Porto Alegre, … Continuar lendo

Publicado em literatura & lingüística, música | Marcado com , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

amanhecendo tarde

Amanheceu e já era tarde demais Queria, como o Sol, recomeçar brilhante depois da longa volta mas estafara. Como o sol, consumia-se para que suas chamas alcançassem mais, brilhassem mais longe, Mas foi rápido demais: Amanheceu e já se encolhia … Continuar lendo

Publicado em literatura & lingüística, música, versos | Marcado com , , , , , , , , , , , | Deixe um comentário

mais uma

Só mais um maço de Pielroja e outro de L&M, por favor. Depois me mandem para à frente do batalhão, bradem seus punhais ou tragam a cruz que considerarem de tamanho justo. Talharei eu mesmo meu crime na madeira, afiarei … Continuar lendo

Publicado em versos | Marcado com , , , , , , , , | Deixe um comentário

10 de maio de 2016

pra não morrer de tédio, pra não morrer de forca, pra não morrer por veneno, pra não morrer de velho morreu de esquecimento, o poeta. pra não ser visto sério, pra não preocupar, pra não causar dano, pra não ter … Continuar lendo

Publicado em literatura & lingüística, versos | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

perdidos e salvos

Qualquer que fosse nossa perdição, amor algum poderia nos salvar. A poesia não nos salvaria, nem as viagens, os amigos, as amigas, tampouco o carinho, a cerveja, jogos de futebol, noites insones barganhando cada minuto de diversão ou debatendo as … Continuar lendo

Publicado em versos | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário